16 março, 2015

Visite !!


10 junho, 2013

Dislexia, Discalculia, Disortografia, Disgrafia, Síndrome de Irlen, etc!!!: Entenda a Síndrome de Irlen

Dislexia, Discalculia, Disortografia, Disgrafia, Síndrome de Irlen, etc!!!: Entenda a Síndrome de Irlen

Dislexia, Discalculia, Disortografia, Disgrafia, Síndrome de Irlen, etc!!!: DISGRAFIA

Dislexia, Discalculia, Disortografia, Disgrafia, Síndrome de Irlen, etc!!!: DISGRAFIA: Letra feia não é só pressa ou preguiça. Pode ser disgrafia Transtorno de aprendizagem afeta a capacidade de escrever ou copiar letras, palav...

14 outubro, 2012

Significado do Hino Nacional

Hoje, domingo recebi um e-mail de uma pessoa muito querida, estudante de direito.
Era uma pergunta simples sobre o significado de palavras do nosso Hino Nacional.
Pensei:_ "Nossa , não ensinam mais isso para nossas crianças."
 Pensando nisso resolvi colocar aqui informações sobre nosso Hino.
Em  azul a letra explicativa*  

Hino Nacional Brasileiro é um dos quatro símbolos oficiais da República Federativa do Brasil, conforme estabelece o art. 13, § 1.º, da Constituição do Brasil. Os outros símbolos da República são a bandeira nacional, as armas nacionais e o selo nacional. Tem letra de Joaquim Osório Duque Estrada (1870 - 1927) e música de Francisco Manuel da Silva (1795 - 1865). Foi adquirida por 5:000$ cinco contos de réis a propriedade plena e definitiva da letra do hino pelo decreto n.º 4.559 de 21 de agosto de 1922 [1]pelo então presidente Epitácio Pessoa e oficializado pela lei n.º 5.700, de 1 de setembro de 1971, publicada no Diário Oficial (suplemento) de 2 de setembro de 1971.
Hino executado em continência à Bandeira Nacional e ao presidente da República, ao Congresso Nacional e ao Supremo Tribunal Federal, assim como em outros casos determinados pelos regulamentos de continência ou cortesia internacional. Sua execução é permitida ainda na abertura de sessões cívicas, nas cerimônias religiosas de caráter patriótico e antes de eventos esportivos internacionais.
A partir de 22 de setembro de 2009, o hino nacional brasileiro tornou-se obrigatório em escolas públicas e particulares de todo o país. Ao menos uma vez por semana todos os alunos do ensino fundamental devem cantá-lo. 
Fonte Wikipédia.

Música: Francisco Manuel da Silva

Letra: Osório Duque Estrada

Hino Nacional Brasileiro

Ouviram do Ipiranga as margens plácidas
De um povo heroico o brado retumbante,
E o sol da liberdade, em raios fúlgidos,
Brilhou no céu da Pátria nesse instante.


As margens plácidas (tranquilas, serenas) do Ipiranga ouviram

o brado (grito) retumbante (estrondoso) de um povo heroico.

E o sol da liberdade, em raios fúlgidos (cintilantes),

brilhou no céu da Pátria nesse instante.


Se o penhor dessa igualdade
Conseguimos conquistar com braço forte,
Em teu seio, ó Liberdade,
Desafia o nosso peito a própria morte!


Se conseguirmos conquistar o penhor (garantia)

Dessa igualdade com braço forte, o nosso peito

Desafia até a morte em teu seio, ó Liberdade.


Ó Pátria amada,
Idolatrada
Salve! Salve!


Ó Pátria amada,

Idolatrada (adorada, venerada)

Salve! Salve!


Brasil, um sonho intenso, um raio vívido
De amor e de esperança à terra desce,
Se em teu formoso céu, risonho e límpido,
A imagem do Cruzeiro resplandece.


Brasil, um sonho intenso, um raio vívido (intenso, vivo) de amor

e de esperança desce à terra se em teu formoso (belo) céu,

risonho e límpido (transparente), a imagem do Cruzeiro

(constelação do Cruzeiro do Sul) resplandece (brilha
).


Gigante pela própria natureza,
És belo, és forte, impávido colosso,
E o teu futuro espelha essa grandeza.
Terra adorada,
Entre outras mil,
És tu, Brasil,
Ó Pátria amada!
Dos filhos deste solo és mãe gentil,
Pátria amada,
Brasil!


Gigante pela própria natureza, és belo, és forte,

Impávido (destemido, corajoso) colosso (gigante).

E o teu futuro espelha (reflete) essa grandeza,

Terra adorada

Entre outras mil,

És tu, Brasil,

Ó Pátria amada!

És mãe gentil (amável) dos filhos deste solo.

Pátria amada,

Brasil!


Deitado eternamente em berço esplêndido,
Ao som do mar e à luz do céu profundo,
Fulguras, ó Brasil, florão da América,
Iluminado ao sol do Novo Mundo!


Ó Brasil, florão (abóbada, cúpula) da América, (tu) fulguras (brilhas)

iluminado ao sol do Novo Mundo deitado eternamente

em berço esplêndido, ao som do mar e à luz do céu profundo
.


Do que a terra mais garrida
Teus risonhos, lindos campos têm mais flores;
“Nossos bosques têm mais vida”,
“Nossa vida” no teu seio “mais amores”.


Teus campos risonhos e lindos têm mais flores,

Nossos bosques têm mais vida,

Nossa vida no teu seio (tem) mais amores

Do que a terra mais garrida (enfeitada, graciosa).


Ó Pátria amada,
Idolatrada,
Salve! Salve!
Brasil, de amor eterno seja símbolo
O lábaro que ostentas estrelado,
E diga o verde-louro desta flâmula:
- Paz no futuro e glória no passado.


O lábaro (bandeira) que ostentas (exibe) estrelado

seja símbolo de amor eterno. E o verde-louro desta

flâmula (bandeira) diga: paz no futuro e glória no passado.


Mas, se ergues da justiça a clava forte,
Verás que um filho teu não foge à luta,
Nem teme, quem te adora, a própria morte.


Mas, se a clava (bastão usado como arma

Forte da justiça (tu) ergues,

Verás que um filho teu não foge à luta, nem teme a

Própria morte quem te adora.


Terra adorada,
Entre outras mil,
És tu, Brasil,
Ó Pátria amada!
Dos filhos deste solo és mãe gentil,
Pátria amada,
Brasil!


11 julho, 2012

Sintomas discalculia

Sintomas potenciais

Dificuldades freqüentes com os números, confundindo as operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Problemas de diferenciar entre esquerdo e direito.
Falta de senso de direção (para o norte, sul, leste, e oeste) e pode também ter dificuldade com um compasso.
A inabilidade de dizer qual de dois números é o maior.
Dificuldade com tabelas de tempo, aritmética mental, etc.
Melhor nos assuntos tais como a ciência e a geometria, que requerem a lógica mais que as fórmulas, até que um nível mais elevado que requer cálculos seja necessário.
Dificuldade com tempo conceitual e julgar a passagem do tempo.
Dificuldade com tarefas diárias como verificar a mudança e ler relógios analógicos.
A inabilidade de compreender o planejamento financeiro ou incluir no orçamento, nivelar às vezes em um nível básico, por exemplo, estimar o custo dos artigos em uma cesta de compras.
Tendo a dificuldade mental de estimar a medida de um objeto ou de uma distância (por exemplo, se algo está afastado 10 ou 20 metros).
Inabilidade de apreender e recordar conceitos matemáticos, régras, fórmulas, e seqüências matemáticas.
Dificuldade de manter a contagem durante jogos.
Dificuldade nas atividades que requerem processamento de seqüências, do exame (tal como etapas de dança) ao sumário (leitura, escrita e coisas sinalizar na ordem direita). Pode ter o problema mesmo com uma calculadora devido às dificuldades no processo da alimentação nas variáveis.

21 abril, 2012

DISCALCULIA: Diagnóstico e Intervenção Psicopedagógica


A Discalculia, como os demais distúrbios, é uma disfunção neuropsicológica que interfere na aprendizagem da aritmética e gera dificuldades para lidar com cálculos e tudo que envolve sequência lógica. A matemática é uma ferramenta essencial para a sobrevivência do homem na sociedade cuja prática está inserida em nossa rotina, (VYGOTSKY apud SILVA, 2008, p. 11). Para o discalcúlico, a incapacidade aritmética acarreta prejuízos significativos por fracassos em tarefas diárias que revelam seu déficit e fazem emergir problemas sócios afetivos.
A discalculia é observada em indivíduos cuja inteligência é normal ou acima da média e que não apresentam deficiência auditiva, visual ou física, mas que falham no raciocínio lógico-matemático que se apresenta inferior à média esperada para sua idade cronológica, capacidade intelectual e nível de escolaridade. 
Os portadores desta desordem podem apresentar o comprometimento de outras habilidades importantes como:
·         Habilidade Linguística (compreensão através da leitura e Conceitos escritos),
·         Habilidade Perceptiva (reconhecimento de símbolos numéricos e discriminação de conjunto),
·         Habilidade Atentiva (cópia correta e observação dos sinais na operação matemática) e
·         Habilidade Matemática (cálculos em geral, capacidade de lidar com números no cotidiano, noção de espaço e tempo, e sequenciação como, por exemplo, os meses do ano e dias da semana). 
A Discalculia, por apresentar diferentes características relacionadas aos transtornos matemáticos, foi classificada em seis subtipos, pelos teóricos Johson e Myklebust (apud SILVA, 2008, p. 18):
Discalculia Verbal – dificuldades para nomear quantidades matemáticas, números, termos, símbolos e relações;
Discalculia Practognóstica - dificuldade para enumerar, comparar e manipular objetos, reais ou em imagens, matematicamente;
Discalculia Léxica – dificuldade na leitura de símbolos matemáticos;
Discalculia Gráfica – dificuldades na escrita de símbolos matemáticos;
Discalculia Ideognóstica – dificuldade em fazer operações mentais e na compreensão de conceitos matemáticos;
Discalculia Operacional – dificuldades na execução de operações e cálculos numéricos. 
Borges (2008) apresenta, ainda, outras duas desordens identificadas dentro da problemática discalcúlica:
Distúrbio de linguagem receptivo-auditiva e aritmética: O indivíduo é bem sucedido em cálculos, porém é inferior no que se refere ao raciocínio e vocabulário aritméticos.
Apresenta problemas de reorganização auditiva; não se recorda de números com agilidade (pode reconhecê-lo quando ouve, mas nem sempre consegue dizê-lo quando quer) e não é capaz de guardar os fatos quando ouve os enunciados quando apresentados oralmente.
Distúrbio de leitura e aritmética: É a relação Discalculia-Dislexia já descrita por muitos teóricos como Kirk e Gallagher (1999). Dá-se quando a Discalculia é originada por fatores também relacionados à Dislexia, pois ambas possuem aspectos relevantes no que diz respeito à  memória  temporária,  leitura  e  escrita.  Neste caso, o indivíduo apresenta dificuldades na compreensão leitora dos enunciados, inversões e distorções de numerais e dificuldades de se lembrar da aparência dos números. O indivíduo é incapaz de decodificar os símbolos e grafemas matemáticos, no entanto, é perfeitamente capaz de calcular quando os exercícios e enunciados são lidos em voz alta para ele. 
ETIOLOGIA
A etiologia desta desordem não é explicada por uma  causa única e simples, mas podem-se encontrar associações a fatores que problematizam o domínio da leitura e/ou da escrita. Estes fatores podem ter sua origem em causas pedagógicas, disfunções do sistema nervoso central e limitações na capacidade intelectual. Silva (2008) aponta 5 elementos que possivelmente estão relacionados à causa da Discalculia:
Imaturidade Neurológica: O bom desenvolvimento neurológico é fundamental para um funcionamento adequado do SNC e funções que se estabelecem de forma cronológica.
A imaturidade neurológica é apresentada em três graus leve (cuja reação é favorável à intervenção terapêutica), médio (representa o grau da maioria dos indivíduos com dificuldades em matemática) e limite (déficit intelectual provocado por lesão neurológica).
Fatores Linguísticos: A linguagem é essencial para a compreensão aritmética e dificuldades na interiorização da linguagem resultam na incapacidade de elaborar o pensamento.
Silva (2008, p. 20) diz que "[...] a resolução de problemas envolvem muitas questões de linguagem além da matemática". Portanto, sem o domínio linguístico, a decodificação do símbolo oral, sua quantidade e representação gráfica serão deficientes.
Fatores Psicológicos: Se dão através das alterações psíquicas no controle das funções de memória, atenção, percepção etc. 
Fatores Genéticos: Ainda se estudam o "gen" responsável pela herança destes distúrbios, mas nada foi confirmado até o momento. Contudo, já foram registrados casos significativos de discalcúlicos com antecedentes familiares. 
Fatores pedagógicos: Possíveis problemas no ensino de habilidades matemáticas e psicomotoras durante a fase de desenvolvimento e aquisição de tais funções.
COMO DIAGNOSTICAR A DISCALCULIA
Como já mencionado, a Discalculia não têm especificamente uma única causa, mas um conjunto delas que se relacionados a fatores internos e externos do sujeito é possível diagnosticá-la com sucesso e determinar seu tipo. Como todo distúrbio de aprendizagem, o processo de diagnóstico da discalculia requer observação minuciosa e atenção aos sintomas e fatores contribuintes.  Fatores internos e externos: Memória, atenção, percepção-motora, organização espacial, habilidade verbal, falta de consciência, falhas estratégicas, dificuldades em operacionalizar funções matemáticas simples, maneiras de se ensinar e aprender as habilidades aritméticas, ambiente de estudo e familiar, entre outros.
Uma observação importante feita por Silva (p. 24) é a de que o portador de discalculia escreve pouco por medo de errar, suas respostas são geralmente monossilábicas e dificilmente se expõe em atividades em grupo. Durante as sessões de diagnóstico de uma pessoa com suspeita de Discalculia é importante ficar atento aos sintomas e investigar seu histórico.

Um discalcúlico apresenta:
       Lentidão extrema na realização das atividades aritméticas;
       Dificuldades de orientação espacial;
      Dificuldades para lidar com operações matemáticas (adição, divisão, subtração, multiplicação);
      Dificuldade de memória de curto e longo prazo; 
      Dificuldades em seguir ordens  ou informações simultaneamente;
Problemas com a coordenação motora fina, ampla e perceptivo-tátil;
Dificuldades em armazenar informações;
Confusões com símbolos matemáticos;
Dificuldades para entender o vocabulário que define operações matemáticas;
Dificuldades com a sequenciação numérica (antecessor/sucessor);
Problemas relativos à Dislexia (processamento de linguagem);
Incapacidade para montar operações;
Ausência de problemas fonológicos;
Dificuldades em estabelecer correspondência quantitativa (ex: relacionar números de carteiras com números de aluno);
Dificuldades em relacionar grafemas matemáticos às respectivas quantidades;
Dificuldades em relacionar grafemas matemáticos ao seus símbolos auditivos;
Dificuldades com a contagem através de cardinais e ordinais;
Problemas em visualizar um conjunto dentro de um conjunto maior;
Dificuldades com a conservação de quantidades (ex: 1 lt é o mesmo que 4 copos de 250 ml); Dificuldades com princípios de medida.

O sujeito discalcúlico pode não apresentar todos estes fatores, mas a maioria com certeza se caracterizará, e é possível, também, que ele apresente outros novos, pois cada indivíduo é único e traz consigo histórias de vida diferentes. Outro aspecto a se levar em conta é que alguns discalcúlicos têm o seu raciocínio lógico intacto, porém têm extrema dificuldade em lidar com números, símbolos e fórmulas matemáticas. Outros, de acordo com Sacramento (2008 np), serão completamente capazes de solucionar representações simbólicas como 3+4=7, mas incapazes de resolver "João tinha três reais e ganhou mais quatro. Quantos reais ele tem ao todo?". 

ADAPTAÇÕES AO DISCALCÚLICO
Seguindo orientações da Associação Brasileira de Discalculia - ABD (apud SILVA, 2008, p.26) segue algumas possibilidades de ajuda:
1.    Permitir o uso de calculadora;
2.    Adotar o uso de caderno quadriculado;
3.    Não estipular tempo nas provas, reduzir o número de questões (sendo estas claras e objetivas) e permitir o acompanhamento de um tutor para certificar que o aluno entendeu os enunciados;
4.    Evitar avaliações orais;
5.    Reduzir deveres de casa;
6.    Ministrar algumas aulas livres de erros para que o indivíduo conheça o sucesso;
7.    É importante ter em mente que para os discalcúlicos nada é óbvio;
8.    Não descarte a possibilidade de se trabalhar com uma equipe multidisciplinar, em destaque o Psicopedagogo que trabalhará a autoestima, valorizando as atividades desenvolvidas pelo sujeito e descobrindo seu processo de aprendizagem e os instrumentos que auxiliarão no aprendizado;
9.    Optar por jogos para trabalhar seriação, classificação, psicomotricidade, habilidades espaciais e contagem;
10. Deixar o aluno saber que o professor está ali para ajudá-lo e nunca para desestimulá-lo com atitudes e palavras que destaquem suas dificuldades. 
11. Para um auxílio melhor é necessário que pessoas ligadas ao sujeito e dispostas a ajudá-lo levem em consideração sua história de vida, seus conhecimentos informais, condições sociológicas, psicológicas e culturais (PCNEF BRASIL, 1998 apud SILVA, 2008, p. 28).

COMO TRATAR E AUXILIAR O DISCALCÚLICOS.
Por ser um transtorno  psiconeurológico, de ordem congênita ou adquirida, seus sintomas, apesar de contornáveis, serão sempre uma  constante. O tratamento, portanto, terá a característica de um treinamento que visa amenizar os sintomas, corrigir os fatores contribuintes e resgatar a autoestima do paciente para que este tenha uma melhor qualidade de vida e autonomia para elaborar estratégias que viabilizem seu sucesso em tarefas que, outrora, lhe eram praticamente impossíveis de realizar. A recuperação de um discalcúlico é geralmente bem-sucedida quando aplicada passo a passo, respeitando o nível em que cada paciente se encontra e avançando gradativamente de acordo com seu ritmo. Cawley e Vitello (1972, apud GALLAGHER e KIRK, 1999) desenvolveram um modelo para o ensino da matemática onde há a interação aluno-professor dentro de uma unidade conceitual utilizando estilos de aprendizagem e fatores que a influenciam fazendo do aprendiz um operante. Contemporaneamente, Cawley e Goodstein (1972, apud GALLAGHER e KIRK, 1999) desenvolveram materiais que implementam o ensino e treinamento da matemática. Estes são chamados, segundo Gallagher (1999), de "o sistema de Cawley e Goodstein e os materiais de Montessori".
O ensino da matemática se trata de construir estruturas básicas de interação, classificação, correspondências, grupos etc., ou seja, o saber matemática vai além de ensinar cálculos (LIMA, 2000, apud SILVA, 2008). Como o lúdico é considerado um promotor de aprendizagem e construção de saber, também é visto como um mecanismo psicológico e pedagógico que contribui para o desenvolvimento mental e como um aliado na aquisição de estruturas psiconeurológicas essenciais para a cognição.
As atividades lúdicas devem ser valorizadas por que delas é possível desenvolver estratégias para a solução de problemas. Para os PCN (Parâmetros Curriculares Nacionais) os jogos
[...] constituem uma forma interessante de propor problemas, pois permitem que estes sejam apresentados de modo interativo e favorecem a criatividade na elaboração de estratégias de resolução de problemas e busca de soluções. Propiciam a simulação de situações-problema que exigem soluções vivas e imediatas, o que estimula o planejamento das ações
[...] podem contribuir para um trabalho de formação de atitudes - enfrentar desafios, lançar-se a busca de soluções, desenvolvimento da crítica, da intuição, da criação de estratégias e da possibilidade de alterá-las quando o resultado não é satisfatório necessárias para a aprendizagem da Matemática (BRASIL, 1998, p. 46-47 apud SILVA, 2008, p. 29).
É notável a importância dada a "situações-problemas" que promovem estratégias criativas de resolução. Dante (1989, apud SILVA, 2008) apresenta um modelo de resolução de problemas por quatro etapas onde é preciso:
1.    Compreender o problema (análise do enunciado);
2.    Elaborar um plano (organizar os dados e se basear em experiências anteriores);
3.    Executar o plano elaborado (experimentar o plano);
4.    Examinar a solução encontrada (checar os resultados). 

Jogos como o Tangram, Trimu, Matix, Palitos, entre outros são sugestões de atividades promotoras de situações-problemas que podem ser utilizadas no tratamento clínico, pedagógico e na interação familiar do discalcúlico.


CONCLUSÃO
A dislexia é o distúrbio de maior ênfase em pesquisas já publicadas, e apesar da escassez de informações sobre disgrafia, disortografia e discalculia, foi possível realizar um ótimo trabalho e reunir pontos importantes que contribuíssem significativamente para a divulgação destes distúrbios e para a orientação de diagnósticos, tratamentos e auxílios pedagógicos.
A dificuldade em se encontrar informações a respeito da discalculia, disgrafia e, principalmente, da disortografia, nos revela certo paradoxo. De acordo com o CID-10, esses três distúrbios estão entre os mais comuns e incidentes já registrados, ficando atrás apenas da Dislexia e do Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH). Contudo, não foi fácil obter dados e materiais de apoio que respaldassem esta pesquisa, tornando-a árdua e demorada. 
Uma possível explicação que se tira deste déficit informativo é que os estudos da discalculia, disgrafia e disortografia estão sempre à sombra das pesquisas a respeito da dislexia, talvez por serem consideradas, por muitos teóricos, como sequelas geradas do transtorno disléxico. No entanto, estudando os distúrbios é possível notar a correlação existente entre eles e, igualmente perceptível, são as suas causas isoladas e independentes.
Há, ainda, muito que  pesquisar, até mesmo sobre a tão falada dislexia. As pesquisas em torno dos distúrbios de aprendizagem serão sempre uma constante, considerando que, por ser distúrbios intrínsecos, cada caso é um caso em específico pelo fato de sermos seres únicos com características funcionais próprias e particulares. 
Os estudos e as teorias sobre os problemas que inibem o desenvolvimento cognitivo surgem de diversas áreas científicas denotando o caráter multidisciplinar que possuem as investigações sobre os mistérios do aprender humano. Tanto é verdadeiro esta multidisciplinaridade que é impossível realizar diagnósticos e tratamentos apenas por uma única linha profissional, visto que os distúrbios afetam várias áreas responsáveis pela cognição.
Entretanto, a pesquisa foi realizada visando, em cada etapa, suprir, em magnitude, as curiosidades e dúvidas em torno do que vem a ser um distúrbio, como diagnosticá-lo e tratá-lo, como delinear atividades de reforço/reeducação, entre outras questões.
Durante a pesquisa muitas coisas foram esclarecidas e descobertas importantes foram feitas, ampliando horizontes e provocando mudanças no ponto de vista profissional e metodológico, o que vem demarcar sucesso significativo quanto aos objetivos propostos desde o início deste trabalho científico.
Portanto, é esperado que este estudo seja de grande utilidade e inspiração a quem precise lidar com a realidade de um distúrbio e que as informações nele contidas possam desmistificar conceitos, incitar novas atitudes e fazer saber que, por mais difícil que possa parecer, uma vida saudável e normal é totalmente possível a todos os que são diagnosticados como portadores de algum distúrbio de aprendizagem.


Monografia apresentada ao Curso de Pós Graduação em Psicopedagogia Clínico Institucional da Escola Superior Aberta do Brasil como requisito para obtenção do título de Especialista em Psicopedagogia Clínico Institucional, sob a orientação do Prof.: Ms. Aloísio Silva.

 Texto da Monografia Camila Souza Domingues

22 março, 2012

Modelos de caixas

Às vezes a vida muda o rumo e toma  caminhos que nunca pensamos tomar. Foi o que aconteceu  quando me mudei do Rio para São Paulo.
Aconteceu como um acaso,   bem devagar...
No aniversario de 30 anos da minha filha Amanda, fiz  caixinhas  para dar aos amigos sem pretensão alguma, somente para preencher o tempo livre, pois estava em um cidade nova sem alunos e sem ter o que fazer.
Aos poucos as encomendas foram crescendo. Primeiro foram os amigos das filhas , depois conhecidos de conhecidos e aconteceu!








Hoje  crio caixas revestidas de tecido, amo  o que faço, ocupa meu tempo e me faz feliz.
Assim criei a Helo Box caixas  exclusivas para você! 

06 fevereiro, 2012

Livro didático do MEC tem erro de português

Reportagem do ano passado mas vale a pena ler novamente.

Alerta aos pais.
  • "12 de maio de 2011 |
  • 23h12 |
http://blogs.estadao.com.br todos os direitos reservados

Categoria: Educação

“Nós pega o peixe” ou “os menino pega o peixe”. Os erros gramaticais são apenas alguns encontrados no livro de língua portuguesa Por uma Vida Melhor, da Coleção Viver, Aprender – adotado pelo Ministério da Educação (MEC) e distribuído pelo Programa Nacional do Livro Didático para a Educação de Jovens e Adultos (PNLD-EJA) a 484.195 alunos de 4.236 escolas.

Na avaliação dos autores do livro, o uso da língua popular, ainda que contendo erros, é válido. Os escritores também ressaltam que, caso deixem a norma culta, os alunos podem sofrer “preconceito linguístico”.

Publicado pela Editora Global, o livro apresenta frases erradas e explicações para cada uma delas, como forma de ensinar a maneira correta de falar e escrever. “Você pode estar se perguntando: ‘Mas eu posso falar ‘os livro’?’ Claro que pode.

Mas fique atento, porque, dependendo da situação, você corre o risco de ser vítima de preconceito linguístico”, diz um dos trechos. “Muita gente diz o que se deve e o que não se deve falar e escrever, tomando as regras estabelecidas para a norma culta como padrão de correção de todas as formas linguísticas.”

Correto e adequado
Em nota divulgada pelo Ministério da Educação, a autora Heloisa Ramos justifica o conteúdo da obra. “O importante é chamar a atenção para o fato de que a ideia de correto e incorreto no uso da língua deve ser substituída pela ideia de uso da língua adequado e inadequado, dependendo da situação comunicativa.”

“Como se aprende isso? Observando, analisando, refletindo e praticando a língua em diferentes situações de comunicação”, acrescenta a autora em seu texto.

Heloisa também afirma que o livro tem como fundamento os “documentos do MEC para o ensino fundamental regular e Educação de Jovens e Adultos(EJA)”. Segundo ela, a obra leva em consideração as matrizes que estruturam o Exame Nacional de Certificação de Jovens e Adultos (Encceja).

Procurada pela reportagem, a Editora Global informou, por intermédio de sua assessoria, que é a responsável pela comercialização e pela produção do livro, mas não pelo seu conteúdo."

Comente!

Grande braço

Helô

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...